Top 10 Girl: Dama na sociedade, prostituta na cama

Dama na sociedade, prostituta na cama

Dama na sociedade prostituta na camaDepois de Julia Roberts, em "Uma Linda Mulher", Giovanna Antonelli, a Capitu de "Laços de Família", e Camila Pitanga - a ousada Bebel em "Paraíso Tropical", agora é a vez de Alinne Moraes retratar a vida de uma prostituta. A atriz estará na série "Amor em quatro atos", que entra no ar em janeiro de 2011, e vai deixar o seu cliente, interpretado por Vladmir Bricha, mais do que apaixonado.

Assim como na ficção, o final feliz também aconteceu com Bruna Surfistinha, que conheceu o seu atual marido, Pedro, justamente na noite.

Não é difícil encontrar homens por aí que se rendem aos encantos das prostitutas. O Vila Dois contou o caso de Estêvão Romane, que viveu um intenso amor em Nova York até descobrir que a namorada era uma garota de programa. A história foi até parar nas livrarias e recebeu o título "Eu amei Victoria Blue".

Muitos homens acreditam na máxima de que a mulher ideal é "princesa na vida social e prostituta na cama". Mas parece que esse conceito está caindo por terra. É o que explica Arlete Gavranic, psicóloga e sexóloga.

 Durante os anos 30 e 40, a mulher não era só submissa, ela também concordava com a palavra do homem. E não conseguia expor a sua sexualidade com medo de ser recriminada pela sociedade preconceituosa. "Ela tinha medo de ser enxergada como uma mulher vulgar ou ser ‘taxada’ como uma mulher da vida e reprimia os seus desejos", diz. 

Mas de lá até hoje muita coisa mudou. Parte dessas transformações se deve ao desenvolvimento da pílula. Segundo a sexóloga, o anticoncepcional oficializou não só a possibilidade do sexo sem riscos, também representou uma maneira de a mulher experimentar mais o sexo e conhecer o que realmente gosta na cama.

"Antes disso, elas usavam a tabelinha, e de forma errada, por sinal. O método foi inventado entre os judeus como uma forma de saber quando se está no período fértil para engravidar, e não o contrário. A tabelinha dá mais chances de erros do que acertos para evitar a contracepção, pois todas nós sabemos que ciclo e hormônios têm mudanças por conta de várias alterações, principalmente emocionais", detalha.

Ao mesmo tempo em que essa nova mulher descobre o prazer e permite ser mais "egoísta" na cama, ou seja, busca o prazer pessoal, ela também se preocupa como seu desempenho, e ainda em agradar ao parceiro. A sexóloga ressalta que a mulher de hoje não sofre com a repressão sexual, entretanto convive com alguns conflitos, um deles é atingir ao orgasmo.

"Quando chegam aos consultórios dos ginecologistas não tem as suas questões respondidas, porque grande parte desses profissionais não é capacitado para responder as suas dúvidas", aponta. Mesmo assim, por elas terem mais parceiros ao longo da vida - "ao invés de ser a escolhida, agora ela também escolhe" - e também por descobrir melhor o próprio corpo, a qualidade do sexo entre os casais melhorou, segundo a sexóloga. 


4 comentários:

Liza Manuelle disse...

Tudo isso só para dizer que a mulher de hoje virou (ou assumiu) a PUTA que é. huuuummmm! Sou mulher e sempre fui uma putinha danadinha. Homens babam comigo. Veja o exemplo desse ótário aqui ó: CORNO MANSO

Tomou um CHIFRÂO que até agora nem sabe como foi.
huahuahauahuahuahua

Fábio Volpini disse...

Lamentável, uma mulher se designar a isso, a que ponto nós chegamos...

Gabi disse...

ridículo! dá até vergonha
há mulheres e há mulheres, sem generalizar

Neto disse...

Não serei hipócrita.

Já transei com prostitutas, desde as de 40 pila até uma que cheguei a pagar a bagatela de 600 por duas míseras horas (capa de uma revista masculina).

Mas confesso que o sexo, a transa ou o amor (sei lah como cada um prefere chamar) é uma merda. Não é igual ao que se faz com a pessoa que a gente ama, vc dá beijos falsos, chupa-as com receio (as vezes medo, o q vc acaba nem fazendo), tem que usar a camisinha (quem jah fez ou faz sexo sem, sabe do q to falando) e quando ela geme, vc tem 99% de certeza que é teatro, que está fazendo o q está fazendo pelo seu dinheiro.
Claro que quem está na seca, deve procurar serviços profissionais, pq punheta é coisa pra adolescente.
Acho que essa profissão é a mais antiga do mundo e não deve morrer. Cada um faz o q quer com seu corpo. Sou contra a exploração sexual (obrigar pessoas a se prostituirem). Mas jamais serei contra à prostituição em si.
Afinal de contas, quando vc conhece uma garota, muitas vezes ela se interessa apenas pelo o que vc eh e representa e naum por QUEM vc eh. Quanto gastaria pra ter momentos de prazer com ela? Ela não estaria se vendendo também?!?!

Postar um comentário